Embaixador dos EUA na China foi hackeado em operação ligada a Pequim, diz jornal - Informação & Entretenimento
Continua após a publicidade..

Embaixador dos EUA na China foi hackeado em operação ligada a Pequim, diz jornal


Ataque seria parte de campanha de espionagem detectada na quarta-feira (12). Nicholas Burns, embaixador dos EUA na China
Mark Schiefelbein/Reuters
Nicholas Burns, embaixador dos Estados Unidos na China, teve a conta de e-mail acessada por hackers ligados a Pequim, revelou o jornal “The Wall Street Journal” nesta quinta-feira (20). O norte-americano seria um dos alvos de uma suposta campanha de espionagem detectada na quarta-feira (12) pela Microsoft.
O ataque cibernético comprometeu centenas de milhares de e-mails do governo dos Estados Unidos, incluindo o de Daniel Kritenbrink, secretário adjunto de Estado para o Leste Asiático, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.
A reportagem do WSJ afirma que os e-mails acessados pelos hackers não têm conteúdo classificado como secreto. Ainda assim, as mensagens continham informações sobre planos dos EUA para uma recente série de visitas à China por altos funcionários do governo Biden, bem como conversas internas sobre as políticas norte-americanas em relação aos chineses.
“Por motivos de segurança, não compartilharemos informações adicionais sobre a natureza e o escopo desse incidente de segurança cibernética neste momento”, disse um porta-voz do Departamento de Estado ao jornal. “O departamento monitora e responde continuamente a atividades preocupantes em nossas redes. Nossa investigação está em andamento e não podemos fornecer mais detalhes no momento.”
Burns e Kritenbrink juntam-se à secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, como as únicas vítimas publicamente nomeadas da campanha de espionagem, que gerou uma advertência do principal diplomata de Washington ao seu homólogo chinês.
A Microsoft disse na semana passada que hackers chineses se apropriaram indevidamente de uma de suas chaves digitais e usaram uma falha em seu código para roubar e-mails de agências governamentais dos EUA e outros clientes. A empresa não retornou imediatamente uma mensagem solicitando comentários sobre o relatório do WSJ.
Na semana passada, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Adam Hodge, disse que uma invasão na segurança da nuvem da Microsoft “afetou sistemas não classificados”, sem dar mais detalhes.
“As autoridades imediatamente contataram a Microsoft para encontrar a fonte e a vulnerabilidade em seu serviço de nuvem”, acrescentou Hodge.
A embaixada da China em Washington não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o relatório, mas o Ministério das Relações Exteriores da China chamou anteriormente as acusações anteriores de “desinformação”.

Deixe um comentário